sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Surviving Progress / Sobrevivendo ao Progresso (2011)



(Reino Unido, 2011, 86 min. - Direção: Mathieu Roy, Harold Crooks)
Imperdível! 
Maravilhoso documentário da BBC, com imagens belíssimas.

Sinopse: "A ascensão da Humanidade é geralmente medida pela velocidade do progresso. Mas e se o atual progresso estiver nos prejudicando, em direção ao colapso? Ronald Wright, autor do best-seller "A Short History Of Progress" (A Breve História do Progresso), que inspirou este documentário, mostra como as civilizações do passado foram destruídas pelas "armadilhas do progresso" - tecnologias fascinantes e sistemas de crença que atendem a necessidades imediatas, mas comprometem o futuro.
Com a pressão sobre os recursos mundiais aumentando e as elites financeiras levando nações ao fundo do poço, poderá nossa civilização globalizada escapar da catástrofe - a "armadilha do progresso" final?
Através de imagens marcantes e insights iluminadores, de pensadores que investigaram nossos genes, cérebros e comportamento social, este réquiem do modelo de progresso usual também propõe um desafio: provar que tornar macacos mais inteligentes não é um beco sem saída evolucionário."
 

agradecimentos a Júnior Vidal pela sugestão e links e a equipe do docspt.

6 comentários:

Raphaellm disse...

Olá,

Estou assistindo o documentário baixado por torrent (em inglês), e a legenda (em português) está com alguns erros.

No caso, estou usando a legenda em pt-br para ajudar quando não entendo algo, mas notei que há erros de tradução.

Há algum meio de sugerir correções, ou de fazê-las?

Anônimo disse...

Fantástico, recomendo

Junk bonds are junk DNA? disse...

propaganda básica

agit-prop muy simplex..

Carol disse...

Muito bom.

Júnior Vidal disse...

Olha só! Não tinha visto ainda as legendas em pt. Valeu, docverdade.

Eve_ke disse...

Caramba! muito bom o documentário. Que loucura essa ideia de inventar tecnologias escabrosas para continuarmos a sobreviver... Acho muito assustador, pois para mim não se trata de inventar meios de sobreviver e sim aprender a viver. Não acho que precisamos querer menos, acho que precisamos querer ter menos, mas precisamos querer mais, querer ser mais, ser mais felizes, ser mais serenos, mais plenos, mais satisfeitos, aprimorar o caráter, é bem como foi dito, a moral. Não vejo sentido, em criar solo artificial, e petróleo sintético, para termos mais do mesmo. E continuar com competição, estresse, opressão, exclusão, miséria etc... Se o objetivo não for salvar o planeta para nos humanizarmos, mas sim buscar salvar o sistema para perpetuar a espécie não acho a menor graça.
Essa do cérbero planetário foi lindo! Eu posso senti-lo.